Estratégia, resiliência e transformação

Uma das palavras que mais se ouviu nessa pandemia foi resiliência. As empresas precisam ser resilientes. O desenho da estratégia deve proporcionar resiliência.

Wladimir Palermo, começou uma discussão comigo sobre resiliência e construimos juntos o nosso entendimento do que é isso. O que nasceu daí:

O conceito emprestado da física é discutível quando aplicado ao mundo empresarial. O evento inesperado talvez tenha afetado a empresa porque o seu estado original era propício ao acontecimento. Voltar a esse estado original pré-evento pode não ser bom.

Antes da pandemia, as empresas já estavam pressionadas para um estado de permanente evolução. A inovação, a gestão flexível, a capacidade de adaptação eram as buscas mais essenciais da estratégia. Quem já tinha construído essa capacidade enfrentou melhor os desafios do momento.

Por essa razão, resiliência, no ambiente corporativo, precisa ser vista como a capacidade de se recuperar de eventos inesperados e retomar o progresso em novas bases estratégicas ainda mais sólidas.

A resiliência que interessa é a da capacidade de se transformar, de se adaptar, de se antecipar às mudanças. Estamos chamando isso de Resiliência do Mindset de Transformação.

Essa empresa resiliente, através das suas lideranças e colaboradores, em suas manifestações e ações, demonstra ter:

  • Um sólido posicionamento existencial: sabe para que existe e o que quer construir, tem valores compartilhados e os pratica em todos os níveis;

  • Lideranças inspiradoras, guardiãs, praticantes, fomentadoras e executoras desse posicionamento;

  • Tratamento respeitoso e justo de todos os colaboradores que, em permanente desenvolvimento, assumem suas responsabilidades e tomam decisões com base nos princípios;

  • Reconhecimento e respeito às interdependências do seu negócio que resultam no estabelecimento de relações de colaboração com todos os stakeholders;

  • Orgulho de como os clientes se apropriam, utilizam e incrementam o valor do que entrega a eles, gerando riqueza compartilhada;

  • Capacidade de equilibrar simultaneamente 4 perspectivas paradoxais de gestão:

  1. Gestão da rotina baseada em monitoramento e conformidade;